Movimentos lançam Campanha Despejo Zero por proteção à moradia durante a pandemia

Foto: Filipe Augusto Peres

Mais de 40 organizações sociais e movimentos populares lançam nesta quinta-feira (23) a ‘Campanha Despejo Zero – Pela Vida no Campo e na Cidade‘, em reação à continuidade de retirada de famílias de seus lares durante a pandemia do coronavírus. 

Relator de moradia da ONU pede que Brasil pare com despejos e remoções

A ação pede suspensão dos processos de despejos e remoções, independentemente de terem origem na iniciativa privada ou no poder público. Durante a crise causada pelo vírus, ficariam impedidos até mesmo processos respaldados por decisão judicial ou administrativa.

Em Pelotas (RS), despejo deixa 63 famílias desalojadas em plena pandemia da covid-19

O manifesto da campanha ressalta que a insistência em desabrigar famílias sem teto, locatários, sem-terra e povos tradicionais muitas vezes ocorre com uso da força policial e prejudicam diretamente as políticas de isolamento social. “O isolamento social e a higienização constante são as medidas comprovadamente mais eficazes contra o avanço da pandemia, mas estas medidas são negadas a boa parte da população, que não tem garantido o direito à moradia digna.”

Ainda de acordo com o texto, o déficit habitacional no Brasil é superior a 7.8 milhões de moradias e mais de 13% da população está desempregada, o que agrava a situação. “Milhões de pessoas no Brasil gastam maior parte de sua renda pagando aluguel e estes números crescem anualmente. Este cenário ficou ainda mais desesperador em tempos de pandemia, com a queda da renda da maioria das famílias, que não se reflete na redução do valor do aluguel, por outro lado, milhões de imóveis estão abandonados nas cidades e não cumprem sua função social.”

“Eu me senti um lixo”, relata catadora de comunidade removida no DF em plena pandemia

A campanha destaca também a situação no campo “se faz necessário avançar na demarcação e respeito aos territórios indígenas e quilombolas, em seus costumes e tradições.”

Pandemia atrasa respostas para moradores despejados do “Prédio da Caixa”, em Niterói

Entre as entidades que aderiram estão o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST)., o Conam (Confederação Nacional das Associações de Moradores), a Central dos Movimentos Populares (CMP), a União dos Movimento de Moradia (UMN) e o Movimento Nacional de Luta por Moradia.

Via Brasil de Fato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *